13 de out de 2007

Hoje foi dia de apanhar ar marítimo na fuça...

Ando meio avariado, ao contrário da minha bina que consegui recuperar com uma pequena ajuda da Loja das Bicicletas. Hoje tive companhia, até que enfim, mas essa companhia tem poucos quilómetros pedalados, de modo que optámos por um percurso mais plano e saudável: Algés - Caxias. A minha companhia foi nada mais, nada menos que a minha cara metade que andava cheia de inveja das minhas voltinhas, e assim acompanhou-me num trajecto com cerca de 10 Km.


Transportei as binas para o fundo da CRIL em Algés, e começamos a pedalar em direcção a Oeiras. Tinha ouvido falar que existia um trajecto junto à linha, decidimos experimentá-lo. Ao fim de algumas centenas de metros entrámos num caminho de terra e pedras, e embora seja bonito o passeio, não é muito útil para quem tenha de o fazer todos os dias em direção ao seu local de trabalho. E não me parece ser difícil resolver essa situação! Julgo que seria de grande utilidade a existência duma via para bicicletas que fizesse todo o percurso desde Cascais até Lisboa. Já que existe uma via rápida, uma linha de comboio, porque não uma via para bicicletas??

Junto ao Tejo

A caminho de Oeiras

Chegado a esta ponte férrea junto a Cruz Quebrada, o percurso tem de ser feito por debaixo dela para depois se apanhar a passagem de peões que existe junto aos carris do comboio. Não é que um ciclista não goste de fazer este trajecto, mas isto não é trajecto de jeito. Se há dinheiro para tanta coisa, porque não fazer o raio da pista de bicicletas?

Sob a ponte férrea

Sobre a ponte Férrea

Passa-se por trás da estação da Cruz Quebrada e depois apanha-se uma pista de cimento junto ao mar. É um belo percurso com uma vista magnífica. Depressa chegámos ao ISN e depois deixa de haver qualquer pista para os ciclistas. É mesmo muita pena acontecer tal coisa! No caso de Oeiras houve dinheiro, muito por sinal, para construir uma espécie de metro por cabos, o SATU, que até à data não tem tido utilidade. Bastava uma pequena parte do que foi investido nesse comboio para se ter uma pista de jeito ao lado da marginal em Oeiras.

Instituto de Socorro a Naúfragos

Fica aqui uma bela imagem do percurso na pista de cimento com a Ponte Sobre o Tejo ao fundo. Após avançar mais um pouco, regressámos até porque a minha companhia ainda tem muito pouca quilometragem em cima do selim.

Vista da via pedonal para Lisboa

Se correr bem, amanhã regressamos para fazer mais uns quilómetros! E boas pedaladas...

4 comentários:

CrimsonTuxer disse...

Mesmo nao tendo uma pista digna desse nome, parece ter sido um passeio agradável.

RedTuxer disse...

E muito saudável, indeed... Pena ter sido pequeno....

victoruas disse...

Porra vocês metem-me uma inveja do caraças, dava o c* e cinco tostões para dar um passeio de bike por essas bandas.
Eu fui criado entre o rio e o mar (Vila Real de Santo António) e agora vivo numa pasmaceira de uma aldeia (Vimeira-Mealhada) que de mar ou rio nem cheiro há.
A culpada foi a minha mulher que me arrastou para aqui, e ainda se queixam elas que nós não fazemos sacrifícios por elas :)

RedTuxer disse...

Podes fazer como muitos outros, confere a minha lista de links de blogs, levam a sua bina para um local combinado onde mais tipos se reunem e fazem um circuito de todo o terreno. Há uns que correm por todo o Minho, Vouga, até ha quem vai fazer percursos pela Galiza. Mas sempre numa de brincadeira...
Ou então, arranja uma fixação para o carro, amarra lá a bina, vai até uma zona de praia e toca de pedalar... Depois mete umas fotos para a gente apreciar a beleza!