15 de dez de 2007

Anfiteatro Keil do Amaral, Alcantara e Baixa, para aproveitar este Sol de Dezembro

Como as manhãs tem estado impróprias para pedalar, tal o frio que tem estado, optei por arrancar sem destino pela tardinha. Apontei para o Monsanto e daí para o Anfiteatro Keil do Amaral. Pedalei nas calmas pois estava uma excelente tarde para apreciar a paisagem. E nas calmas cheguei ao Anfiteatro onde tirei duas fotos, sendo a primeira da paisagem com a Ponte 25 de Abril ao fundo e a segunda onde se pode ver o aspecto do anfiteatro.

Monsanto 1

Monsanto 2

Aproveitei para banho à minha burra que andava necessitada. Pelos vistos a Câmara de Lisboa espalhou uma data de lavadores como este pelo Monsanto.

Lava-bicicletas

E apanhando o Sol da tarde encontrei um jovem ciclista com a sua amiga. Que sirva de exemplo para todos nós!

Jovem Ciclista

E foi por aqui que tive de decidir para onde deveria fazer o resto do percurso. Apontei para o Alvito e desci para a Ajuda, e ao passar pelo Estádio do Atlético tirei esta foto da Ponte:

Ponte 25 Abril na Ajuda

Até aqui cheguei, até porque foi quase sempre a descer. Meti-me pelo Calvário, Alcantara, percorri a Rua das Janelas Verdes, passei pelo Largo Santos e regressei uma vez mais à Praça do Comércio. Ainda nas Janelas Verdes, parei no jardim em frente ao Museu de Arte Antiga e captei estas duas imagens do porto de Lisboa e do Tejo:

Rio Tejo, Almada ao fundo

Porto Lisboa

Sinto imenso prazer de passear pela baixa, talvez porque quando passo de carro por aqui me sinta preso pois não posso parar, não posso estacionar, não posso apreciar. Subo de novo a Rua Augusta lotada de gente que procura incessantemente uma loja onde possa deixar o seu dinheiro. É o consumismo Natalício no seu melhor.

Rua Augusta

Nem toda a gente procura lojas para esbanjar a carteira, há quem procure ganhar algumas moedas. Eis um caso dum artista que desmente o Ronaldo num célebre anúncio, agora na versão: Parado rendo!

Parado rende!

Para quem não conheça (não faltam por aqui muitos visitantes brasileiros), eis o elevador do Chiado:

Elevador do Chiado

Subi até aos restauradores e passei pela entrada do parque de estacionamento dessa praça e, imaginem, estava cheio!

Estacionamento lotado

Buzinadelas, cruzamentos fechados, impaciência, desespero, raiva, são algumas das consequências que me apercebi no local. E por acaso estava em cima da solução mas estes concidadãos preferem sofrer...
E lá tive de regressar porque a tarde ia-se adiantando e os dias são pequenos. Deixo abaixo o percurso que ficou em 25 Km.

2 comentários:

CrimsonTuxer disse...

e um friozinho de rachar nao?

RedTuxer disse...

Não! Saí pelas 14 ou 15, pelo solinho da tarde. Muito bom dia para pedalar...