28 de out de 2007

Mais links?

Como dá para ver, tenho uma série de links de blogues e sites relacionados com actividades pedaleiras, links esses que costumo consultar para saber de novidades. Há para aí mais algum blogue ou site que devo ter no blogroll para minha consulta e para consulta dos meus estimados visitantes? Não tem de ser link forçosamente português ou só de Portugal.
Estou aberto a sugestões...

Iniciativa da FPCUB no Monsanto

Como não podia deixar de ser, dei um saltinho ao Parque Recreativo da Serafina ao encontro da tal iniciativa da FPCUB. Como era manhã de Domingo, o Monsanto está repleto de ciclistas devorando quilómetros por aquelas ciclovias, destilando litros de suor e hoje extraordinariamente também estavam pelo menos duas equipas de reportagem. Uma junta ao Campo de Tiro e outra a fazer algumas entrevistas aos responsáveis da Federação Portuguesa de Cicloturismo no local, e a alguns ciclistas que por lá passavam.

Escritório do FPCUB na Serafina

Lá deixei a minha assinatura no abaixo-assinado e fiquei a presenciar o movimento de ciclistas que por ali passeavam, esgueirando-se por entre os pinheiros, por entre os carros que chegavam ou partiam, constrastando com o movimento lento, com o pára-arranca dos automóveis no parque.

Fiquei deliciado com uma bicicleta que uma das pessoas junto àquele barracão tinha em exposição. Uma pasteleira que essa pessoa pacientemente e onerosamente recuperou:

Pasteleira

Reparem no pormenor do selim, do gerador eléctrico vulgo dínamo, da bomba de ar fixa no quadro e até na campaínha. E eu que tinha uma pasteleira destas e uma outra ainda mais antiga que era do meu avô, lá em casa na Figueira....

Como não havia bandeiras e cartazes, e as manifestações andam meio proibidas desde que o pequeno ditador veio chefiar o governo, decidi regressar para almoçar. Vou agora estudar o próximo percurso com a minha bina...

27 de out de 2007

Guincho - Cascais

Com um belo dia como o de hoje, não podia perder este Sol para pedalar e aproveitar uma das melhores paisagens do País, a da marginal entre Cascais e a Praia do Guincho. Pena foi chegar tarde para dar início a este passeio, pelas 17. Quanto ao percurso, é constituído quase totalmente por uma boa ciclovia, larga, e poucas subidas.

Ciclovia Guincho - Cascais

Lamentável é o facto de, no percurso já dentro de Cascais, na zona da Boca do Inferno, o passeio pedonal que é paralelo à ciclovia está novo e em excelentes condições, os peões recusam-se a andar nele e passeiam-se na ciclovia. Cheguei a ver num pedaço da ciclovia com uns 50 metros, mais de 30 pessoas deambulando nela, alguns com carros de bebé, outros correndo, ciclistas fazendo zigue-zagues entre eles e o passeio pedonal ao lado, completamento vazio de peões!!! Lamentável!

À chegada a Cascais, adorei ver estes prisioneiros dos seus carros, aguardando pacientemente em fila, em pára-arranca, enquanto nós fazíamos o percurso com via verde! Prazer!

Carros parados em bicha, ciclovia livre

Mais umas imagens da chegada a Cascais e o aspecto de um troço da ciclovia junto à Boca do Inferno:

Chegada a Cascais

Ciclovia em Cascais

E no final do trajecto, porque já estava a ficar tarde estragando os meus planos de ir até ao Estoril, umas imagens da marina de Cascais:

Cascais

Marina Cascais

E depois foi o regresso pelo entardecer, chegando ao final do percurso já ao anoitecer. E apesar do fresquinho que íamos apanhando nas ventas, o espectáculo do pôr-do-sol no Atlântico a bombordo foi excelente!

Ciclovia Guincho - Cascais

E aqui fica o percurso de hoje, quase 20 Km no ida e volta. Onde será o próximo?
E amanhã é dia de manifestação junto ao Campo de Tiro no Monsanto, não faltes!



26 de out de 2007

Não vou faltar, só pelo prazer de encontrar outros manos de duas rodas...

28 de Outubro de 2007
Parque Recreativo da Serafina – Parque Florestal de Monsanto
Das 10:00 às 13:00


A Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB) apela à sua participação no dia 28 de Outubro (Domingo), na iniciativa de encontro de pessoas que defendem o Parque Florestal de Monsanto livre do campo de tiro a chumbo.
Terminou em Fevereiro deste ano a concessão do campo de tiro a chumbo situado no Parque Florestal de Monsanto (PFM). A Câmara Municipal de Lisboa obrigou no dia 4 de Setembro à suspensão da actividade de tiro no PFM, mas deu, no entanto, oportunidade a que fossem apresentados projectos de minimização de impacte ambiental. Entretanto o projecto apresentado
para a construção de um muro foi chumbado por Despacho do presidente da Câmara, António Costa e do Vereador do Ambiente e Espaços Verdes, José Sá Fernandes, de acordo com o parecer dos técnicos da autarquia.

A FPCUB dinamiza assim um encontro informal, para troca de impressões e esclarecimento, entre pessoas interessadas na retirada do campo de tiro a chumbo do PFM – utilizadores de bicicleta, pedestres, caminhantes, os que correm no Monsanto, munícipes de Lisboa, entre outras.

Venha de bicicleta ou a pé apoiar as medidas da Câmara Municipal de Lisboa que visam a retirada do campo de tiro a chumbo do Parque Florestal de Monsanto.

Defenda um Parque Florestal de Monsanto sem tiro a chumbo, sem ruído, sem contaminação de solos e sem riscos para a integridade física dos seus utentes. Apareça!

Ponto de encontro: Junto ao Parque Recreativo da Serafina (das 10:00h às 13:00)

Informação do FPCUB

20 de out de 2007

Santa Apolónia - Expo

Hoje optámos por fazer o trajecto entre Santa Apolónia e a antiga Expo 98, agora Parque das Nações. E este novo nome assenta que nem uma luva, porque tem estado reunidos os vários países que constituem a União Europeia. E também disse "optámos" porque a minha cara metade está a apanhar o gosto pelas pedaladas e queria experimentar este trajecto, por ser bonito e plano. Transportei as burras para junto da discoteca Lux, ao lado da Estação de Santa Apolónia, e demos início aos 22 Km de pedalada. E tirando o desconforto do selim, tenho já anotado a sua substituição, foi uma maravilha. Bom piso mesmo sem ser ciclovia, boas paisagens, muitos ciclistas, bom tempo, boa companhia, que mais poderia querer?

Perto do início do Parque das Nações e fim da zona do porto de Lisboa, a estrada que é usada como ciclovia está fechada. Não é que seja problema, mas é sempre chato encontrar uma situação destas onde tanto ciclista passa!

Passagem fechada

Após passar esta cancela, é preciso descobrir a entrada quase secreta do Parque das Nações, que fica nas traseiras do stand da Audi, junto ao rio. É uma pequena passagem, com uma cerca de ferro, ao fundo do cais. Nem uma indicação ou seja lá o que for...
E entrando no Parque é como entrar noutro mundo, centenas de pessoas gozando o Sol, o ambiente,
praticando skate, jogging, pedalando é claro. Apesar de haver muitos bares fechados, ainda existe o encanto da antiga Expo 98.
Aqui o je e ao fundo, um edifício que albergava vários bares:

Bares fechados no parque das Nações

E mais umas imagens de ciclistas, do teleférico e atá da Ponte Vasco da Gama que tivemos o prazer de passar por baixo até à foz do rio Trancão.

Parque das Nações

Teleférico no Parque das Nações

Vista da Ponte Vasco da Gama

Junto à ponte, rodeando-a e passando por baixo dela, foram construidas várias passagens pedonais elevadas, que além de belas, são suficientemente largas para tanto passearem os peões como passarem as bicicletas. Excelente!

Pontes pedonais

Eu e a Vasco da Gama

Junto delas encontra-se a estátua da Catarina de Bragança, Rainha de Inglaterra, a tal que introduziu a moda de tomar chá no Reino Unido, parecendo apoiar os ciclistas que por ela passam.

Rainha de Inglaterra, Catarina de Bragança

Já no regresso, aproveitámos para nos refrescar nesta catarata, muito concorrida por sinal.

Catarata fresca

E como se tem tornado habitual, aqui fica uma imagem do google maps, do percurso de ida e volta que tão aprazível nos foi.



Huuummm, qual será o próximo trajecto?

18 de out de 2007

Barril a $89

Imaginem só como os Holandeses se preocupam com o barril a este preço:

Estacionamento publico de bicicletas 2

Pessoal, usem mais a bicicleta! Ganham na saúde, poupam na carteira, saboreiam a liberdade e ajudam o ambiente.

13 de out de 2007

Hoje foi dia de apanhar ar marítimo na fuça...

Ando meio avariado, ao contrário da minha bina que consegui recuperar com uma pequena ajuda da Loja das Bicicletas. Hoje tive companhia, até que enfim, mas essa companhia tem poucos quilómetros pedalados, de modo que optámos por um percurso mais plano e saudável: Algés - Caxias. A minha companhia foi nada mais, nada menos que a minha cara metade que andava cheia de inveja das minhas voltinhas, e assim acompanhou-me num trajecto com cerca de 10 Km.


Transportei as binas para o fundo da CRIL em Algés, e começamos a pedalar em direcção a Oeiras. Tinha ouvido falar que existia um trajecto junto à linha, decidimos experimentá-lo. Ao fim de algumas centenas de metros entrámos num caminho de terra e pedras, e embora seja bonito o passeio, não é muito útil para quem tenha de o fazer todos os dias em direção ao seu local de trabalho. E não me parece ser difícil resolver essa situação! Julgo que seria de grande utilidade a existência duma via para bicicletas que fizesse todo o percurso desde Cascais até Lisboa. Já que existe uma via rápida, uma linha de comboio, porque não uma via para bicicletas??

Junto ao Tejo

A caminho de Oeiras

Chegado a esta ponte férrea junto a Cruz Quebrada, o percurso tem de ser feito por debaixo dela para depois se apanhar a passagem de peões que existe junto aos carris do comboio. Não é que um ciclista não goste de fazer este trajecto, mas isto não é trajecto de jeito. Se há dinheiro para tanta coisa, porque não fazer o raio da pista de bicicletas?

Sob a ponte férrea

Sobre a ponte Férrea

Passa-se por trás da estação da Cruz Quebrada e depois apanha-se uma pista de cimento junto ao mar. É um belo percurso com uma vista magnífica. Depressa chegámos ao ISN e depois deixa de haver qualquer pista para os ciclistas. É mesmo muita pena acontecer tal coisa! No caso de Oeiras houve dinheiro, muito por sinal, para construir uma espécie de metro por cabos, o SATU, que até à data não tem tido utilidade. Bastava uma pequena parte do que foi investido nesse comboio para se ter uma pista de jeito ao lado da marginal em Oeiras.

Instituto de Socorro a Naúfragos

Fica aqui uma bela imagem do percurso na pista de cimento com a Ponte Sobre o Tejo ao fundo. Após avançar mais um pouco, regressámos até porque a minha companhia ainda tem muito pouca quilometragem em cima do selim.

Vista da via pedonal para Lisboa

Se correr bem, amanhã regressamos para fazer mais uns quilómetros! E boas pedaladas...

7 de out de 2007

Ida ao Mercado da Ribeira

Com um belo dia como o que estava hoje, não podia perder a pedalada da ordem! Decidi que devia ir novamente à Praça do Comércio e fazer um percurso ainda maior do que aquele que tinha feito dias atrás. E assim foi! Só que a minha burra resolveu mostrar os seus pontos fracos, começou a queixar-se ruidosamente da roda pedaleira. E assim foi durante quase todo o percurso, cada pedalada, cada uivo de dor. Mas mesmo assim tive de afrouxar nalguns percursos, não vai ultrapassar os limites de velocidade como aconteceu na radial de Benfica:

80Kmh

Após Campolide, fui visitar de passagem a Mesquita de Lisboa, descer até aos Restauradores, e dirigir-me ao Mercado da Ribeira, meu objectivo.

Restauradores

O dia ficou então ensolarado, convidando-me a passear pela Avenida 24 de Julho o que fiz com prazer. Lá fui 24 de Julho abaixo até Alcântara, apreciando o movimento dos últimos clientes das discotecas.

24 de Julho

Alcantara

Daqui do local da antiga rotunda de Alcântara, comecei o regresso a casa até porque a burra continuava a queixar-se da roda pedaleira. Estranhei foi o pouco movimento no mercado da droga da Avenida de Ceuta e aproveitei para tirar uma foto a esta ratoeira chamada de valeta ou canal de águas pluviais. Um descuido e a roda fica completamente entalada naquele rasgo e os estragos serão grandes:

Ratoeira

Deixo também aqui uma imagem do Aqueduto das Águas Livres, sempre bonito e imponente.

Aqueduto Águas Livres

Noto que cada vez faço melhor as subidas e no fim dos percursos, não me sinto cansado por aí além e de dorido, absolutamente nada! Por agora fica a burra à espera de algumas peças para reparar a roda pedaleira e fico já a pensar em qual será o próximo percurso! Quanto ao de hoje, fica aqui pra posteridade...


5 de out de 2007

Dia da República, Monsanto!

Nada melhor que dar uma boa pedalada para comemorar o Dia da República. Como ainda ninguém quis correr comigo, são todos uma cambada de cobardes, acabei por dar um giro por Benfica e conhecer mais um pouco os milhentos caminhos dentro do Monsanto. Entrei pela ponte pedonal vindo do Fonte Nova e lá me pus à descoberta do Monsanto.

Ponte pedonal em Benfica

Ponte pedonal em Benfica 2

Fico ainda surpreso por ver tantos ciclistas desbravando todos aqueles caminhos por entre eucaliptos, pinheiros, ciprestes e muitas outras árvores. Só que a maior parte deles, a esmagadora maioria, são do tipo profissionais, pois andam todos de capacete enfiado na caixa craniana. Acho isso um bocado ridículo. Basta recuar uns anos e na minha terra de origem onde toda a gente andava de bicicleta e por todo o lado, nunca ninguém usava tal apetrecho e NUNCA houve nenhum acidente por causa disso. Braços e pernas em carne viva, até braços partidos, de vez em quando lá acontecia mas era raro. Agora cabeças partidas?
Agora se o pessoal andasse a pedalar em bicicletas de velocidade e a fazer corridas, concordo e apoio o uso de capacete, mas andar a passear pelo Monsanto ou por esta cidade de Lisboa, acho ridículo.

E aqui fica para a posteridade o meu percurso de hoje: